segunda-feira, novembro 17, 2014

LEMBRANÇAS 28/10/2014



Pela estrada vou seguindo paralelo ao ribeirão
E nos morros a fragrância inconfundível das plantações
Tanta coisa me passa em mente ao caminhar por esses ares
A alegria é bem visível por todos esses simples lares.

Ouço cigarras que anunciam a chegada da dama negra
O coaxar dos anfíbios, e os voos dos pequenos mamíferos
Afoitos grilos que se perdem pelo denso mato afora
Uma sensação reconfortante nesse momento em meu peito mora.

Avisto a linda curva que indica um recanto sereno e estável
As lágrimas descem felizes depois de tantos anos ausente
A metros da humilde casinha um olhar doce e amável.
É o amor único e sincero, um sentimento que nunca mente.

Numa bela tarde, entre as nuvens, o jatinho e o seu longo rastro
Todos descem correndo em direção às águas calmas
Logo adiante, a pouquíssimos metros, um cantinho inesquecível
Travessia e reunião dos parentes, contentamento irredutível.

Os sorrisos e gargalhadas se misturam aos pingos d`água
Todos estão em sintonia num momento extremamente habitual
Pique-pega entre as pedras escorregadias e aquecidas
E enquanto isso as roupas sujas nas pedras vão sendo batidas.

Avisto a linda curva que indica um recanto sereno e estável
As lágrimas descem felizes depois de tantos anos ausente
A metros da humilde casinha um olhar doce e amável.
É o amor único e sincero, um sentimento que nunca mente

Nas latas de vinte litros, biscoitos de polvilho e deliciosas mentiras
Rosquinhas e bolos caseiros à vontade sobre a velha mesa
Os primos comem empolgados e torcem para que a chuva não venha
Enquanto o feijão vai sendo cozido no inesquecível fogão à lenha.

Na sala, pelo assoalho de madeira, todos à luz de uma lamparina
Brincadeiras por muitos minutos, querida infância entre primos e irmãos
Mas o silêncio logo desponta trazendo consigo o breu tão marcante
As horas passam sem que se perceba, nessa noite de belo semblante.

Avisto a linda curva que indica um recanto sereno e estável
As lágrimas descem felizes depois de tantos anos ausente
A metros da humilde casinha um olhar doce e amável.
É o amor único e sincero, um sentimento que nunca mente

Avisto uma linda casinha e um olhar doce e amável,
Um amor único e sincero e um sentimento que nunca mente...

Nenhum comentário:

Postar um comentário